domingo, 18 de março de 2007


amedrontam-me
teus olhos
sabedores da morte,

o avesso.
não derramam tristeza
não relembram auroras
lançam migalhas

disfarçadas de fé

4 comentários:

adelaide amorim disse...

cá entre nós, também acho certas iamgens sacras muito assustadoras e nada piedosas, por assim dizer... abraços

wilson guanais disse...

gosto muito da sua poesia.
abraço

Maria disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria disse...

Amedrontam-me a morte e a sorte.